Doença do Carrapato – Conheça os sintomas e saiba como proteger seu cachoro

Faça seu ensaio Fotográfico: http://goo.gl/ih7mRQ

Grupo do facebook: https://www.facebook.com/groups/1676831682532651/

Meu segundo canal: https://www.youtube.com/c/mardemreifison

Site: http://goo.gl/inHmGX
facebook: https://goo.gl/zba0fM
Instagram http://goo.gl/LL5Tyg
twitter: http://goo.gl/mvluDc
Snap: fotografodecaes

Educação de Cães


  Curso guia de adestramento Passo a passo
 

Doença do carrapato
O que é a doença
A doença do carrapato é muito conhecida pelos donos de cachorros, pois é uma condição comum. Ela é transmitida com facilidade em grandes centros urbanos ou em áreas rurais. Na última, o carrapato se transmite com mais facilidade.
O carrapato marrom é o vetor da doença. Ela pode atingir o seu cão de duas formas: a erliquiose ou a babesiose. Vamos entender mais sobre essas duas maneiras de contaminação para que você previna o seu cachorro.
A erliquiose é uma infecção muito grave, que pode levar à morte do animal. Ela é causada por uma bactéria que é transmitida pelo carrapato. Notamos que o carrapato não é o causador da doença. Como já mencionamos, ele é um simples vetor.
Essa doença atinge os glóbulos brancos do animal. Eles são responsáveis por fazer a defesa do corpo em caso de contato com organismos estranhos. Com o sistema enfraquecido, o animal não se recupera direito.
A babesiose é uma doença causada por um protozoário, que também é transmitido pelo carrapato. Essa doença atinge os glóbulos vermelhos do animal, que fica com o sistema imunológico enfraquecido.
Quais são as raças mais atingidas
Essa não é uma doença específica de cachorros. Apesar disso, é muito raro que o contaminante se espalhe pelo corpo de gatos ou até de humanos. O hospedeiro mais provável é mesmo o cão.
Apesar da frequência elevada dessa doença, devemos notar que não há uma raça mais atingida pela condição. O que ocorre é a disposição de algumas espécies pela quantidade de pelos no corpo. Se você não fizer um processo de higienização reforçado nos cães dessas raças, eles podem se tornar alvos mais fáceis.
Todas as raças com muitos pelos podem sofrer com isso: chow chow, Golden retriever e collie são algumas das mais atingidas, por conta da pelagem e da densidade dos fios, que costumam se acumular.
De qualquer maneira, é importante destacar que até as raças de cachorros com menos pelos podem ser atingidas pelos carrapatos. Com isso, há a chance de estar em contato com um carrapato contaminado e, assim, pegar a doença. Cuidado para não deixar de dar atenção e levar o seu animal à morte.
Principais sintomas
Alguns dos sintomas mais frequentes em cachorros infectados podem ser encontrados abaixo. Se você está desconfiando das condições de saúde do seu cãozinho, é importante ficar atento e ver se os sintomas descritos condizem com o que ele está passando.
A febre é um dos sintomas mais comuns. Para saber se o animal está com febre, basta checar se o seu focinho está quente. Isso não significa necessariamente que a temperatura está elevada, mas pode ser indicativo importante.
O vômito e diarreia são dois elementos de atenção nessa doença. Além disso, você deve checar se o seu cão não está com sangramentos no nariz. Veja se há sangue espalhado pelo chão ou no local de dormir do animal.
Ele ainda pode sentir uma respiração mais ofegante, dor nos músculos e ao se movimentar, corrimento nos olhos e no nariz e hematomas pelo corpo sem origem aparente. Um dos sintomas mais graves é a dificuldade motora. Quando o sintoma começa a se tornar neurológico, você deve procurar um veterinário com urgência.
Tratamento
Se você identificou alguns desses sintomas em seu cão, pode ser a hora de passar em uma consulta. Ao comprovar a doença, o veterinário pode indicar um tratamento, que deve ser feito para impedir danos mais graves.
A aplicação de antibióticos é o primeiro passo do tratamento, e costuma trazer excelentes resultados para o cachorro. Você já pode notar uma melhora logo após a aplicação das primeiras doses do remédio.
Podemos usar tratamentos secundários para estabilizar a condição do cachorro, e para impedir complicações futuras. Os sangramentos, por exemplo, podem precisar ser tratados com fontes secundárias.
Os remédios, nesses casos, podem variar muito. Os problemas neurológicos são outro caso de necessidade de apoio em outras medicações. Se isso ocorrer, não se preocupe e siga a orientação do veterinário.
Você ainda pode precisar internar o cão, caso a doença esteja avançada. Assim, ele se recuperará mais rapidamente e poderá sair do veterinário sem nenhuma sequela por conta da doença.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *