Leishmaniose Canina – Saiba como proteger seu cachorro

Faça seu ensaio Fotográfico: http://goo.gl/ih7mRQ

Grupo do facebook: https://www.facebook.com/groups/1676831682532651/

Meu segundo canal: https://www.youtube.com/c/mardemreifison

Site: http://goo.gl/inHmGX
facebook: https://goo.gl/zba0fM
Instagram http://goo.gl/LL5Tyg

Educação de Cães


  Curso guia de adestramento Passo a passo
 

Leishmaniose
O que é a doença
A leishmaniose é uma doença de protozoários ( parasita ) que pode acometer tanto o homem quanto os animais. A leishmania (parasita) invade diversos orgãos, como os rins, o fígado, a pele, etc. causando lesões de diversa extensão/gravidade e que pode provocar a morte dos animais
Ela é transmitida por uma picada de mosquito. Se o mosquito em questão estiver contaminado, o seu cão pode adquirir a doença. O mosquito é conhecido como “mosquito palha” ou “birigui”.
O cachorro deve ser picado pelo mosquito para pegar a doença. Se um cão doente morder um cão sadio, ele não pegará a leishmaniose. Os cães também não transmitem para humanos. O homem também deve ser picado para ficar doente.
Agora que você já sabe um pouco mais sobre o que é a leishmaniose, vamos falar de alguns sintomas, do tratamento e dos cuidados na hora de observar o seu cão.
Raças mais atingidas
Não há distinção entre raças para a contaminação. Afinal, essa é uma doença transmitida pela picada de um mosquito. Dependendo da área em que o cachorro está, ele pode ser atingido independentemente da raça.
É por isso que você deve deixar o seu cão em constante observação caso note alguma condição de saúde estranha. Pode ser que não se trate de uma leishmaniose, mas existem outras doenças que também pode levar ao sofrimento do animal.
Por sorte, você pode prevenir o seu animal doméstico com a vacina. Já existe uma vacina para cães feita especialmente para prevenção de leishmaniose. Se você mora em uma região de grande prevalência do mosquito, é importante fazer a vacinação.
Se você está desconfiado, converse com seu veterinário para investigar a doença! Vamos falar mais desse processo agora, ao destacarmos os sintomas. Fique atento e saiba como manter a saúde do seu cachorro em dia, para não gerar complicações que podem levar à morte.
Principais sintomas e diagnóstico
Os sintomas da leishmaniose podem confundir os donos de cachorro, mas você deve ficar atento aos principais deles. Dessa maneira, você evita se enganar e não deixa a doença se agravar.
Os sintomas são: fraqueza no corpo, dificuldade de locomoção, anorexia, vômito, diarreia, falta de apetite, sangramento nasal , lesões em borda de orelha e até uma descamação de pele seca. Se você observar alguns desses sintomas, não espere para levar o seu cão ao veterinário.
Se você deixar a doença se agravar, algumas condições secundárias podem aparecer para o animal. As principais delas são a anemia e as doenças imunes, que enfraquecem também o sistema de proteção do corpo do seu cãozinho.
Tratamento
O tratamento da leishmaniose é proibido com o uso de medicações para humanos, e muito sintomático. Por isso, ele pode causar polêmicas. Afinal, ninguém gosta de ouvir que uma doença não possui cura, principalmente quando se trata de um animal tão importante quanto o cão.
O que ocorre é: há a cura dos sintomas, mas não há cura parasitológica. Isso ocorre com a maioria das doenças causadas por protozoários. Por conta dessa especificidade, alguns profissionais recomendam o sacrifício do animal. (Por ser uma zoonose (doença transmitida para seres humanos) grave e sem tratamento permitido até pouco tempo, a recomendação do Ministério da Saúde era a realização de eutanásia dos animais infectados).
Porém, você poderá tratar os sintomas *e diminuir a carga parasitária com alguns medicamentos de uso oral indicados exclusivamente para cães. Como mencionamos anteriormente, o tratamento com base em medicamentos para humanos ainda é proibido. Quando isso se modificar, talvez tenhamos chances maiores de salvar os cães dessa terrível condição.
Você ainda pode tratar o cão com remédios adicionais e com repelentes, para prevenir a contaminação secundária.
Como podemos ver, o tratamento pode trazer complicações. O melhor é mesmo prevenir o cachorro e evitar transitar por áreas contaminadas com o inseto.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *